Os riscos de DST na Terceira Idade

Vida Sexual Ativa na Terceira Idade

Os idosos podem sim ter uma vida normal e esbanjar saúde, tendo energia para a prática de esportes, aprender coisas novas, interagir com a tecnologia e ter uma vida sexual ativa. Porém um grande erro é achar que na terceira idade o uso de preservativos não é necessário.

Em outras épocas os idosos não tinham o hábito de lidar com preservativos, o que por consequência os fazem acreditar que não estão vulneráveis às DSTs (Doenças Sexualmente Transmissíveis).

A falta de campanha de prevenção direcionado à terceira idade é um fator relevante nos dias de hoje e o tabu de que a vida sexual ativa entre os mais velhos não é comum ainda prevalece. Porém, em pleno século XXI temos que quebrar qualquer barreira sobre esse assunto, a fim de que a informação chegue à todos de maneira correta e efetiva evitando problemas futuros.

dst

As DSTs e os Idosos

Por vergonha ou por medo de julgamentos devido à idade, os idosos não procuram orientações médicas. Em contrapartida, há a falta de uma equipe de saúde especializada e voltada para essa realidade dos idosos, dificultando ainda mais a procura por apoio e avaliações sobre a sexualidade nessa fase da vida.

E assim, a terceira idade tornou-se um grupo vulnerável a adquirir DSTs, inclusive o vírus do HIV/Aids (Vírus da Imunodeficiência Humana), sendo transmitidas principalmente através de contato sexual desprotegido. Além da AIDS, a Sífilis é outra doença quem têm aumentado sua disseminação entre idosos.

A Sífilis, doença transmitida pela bactéria Treponema pallidum, principalmente por via sexual, não escolhe idade, sexo e nem classe social. Começa com feridas indolores no local da infecção e evolui para dores musculares, febre e dor de garganta. A doença pode danificar órgãos como cérebro, nervos, olhos e coração, levando a cegueira, paralisia, demência e outros problemas de saúde se não for tratada.

Já a Aids compromete o funcionamento do sistema imunológico humano levando o organismo a ficar debilitado e desprotegido contra agressões externas, como: bactérias, parasitas, outros vírus e células cancerígenas. A doença não possui cura, mas por meio de tratamento com coquetéis de medicamentos é possível minimizar os sintomas.

Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 4% a 5% da população acima de 65 anos são portadores do vírus HIV, o que corresponde a um aumento de aproximadamente 103%. O estudo ainda aponta que o número de óbitos por AIDS nessa faixa etária dobrou em 12 anos.

A fragilidade do sistema imunológico das pessoas com mais de 60 anos pode ser um fator que causa dificuldade na detecção de alguma DST, pois os sintomas podem ser confundidos com outras infecções. Portanto, esse é mais um motivo para alerta e importância do uso de preservativos.

A prevenção é indispensável

Em um cenário que as bactérias ficam cada vez mais resistentes a tratamentos, a camisinha continua sendo um dos métodos mais comuns e importantes de prevenção.

Ser idoso é estar na melhor idade, é poder aproveitar todos os momentos mas com cautela quando o assunto é saúde e saúde sexual.
Mantenha uma vida ativa e saudável!

Fonte: Instituto Paulista e Revista exame.com.br

visite-a-estancia-vale-verde

DIGITE O TERMO QUE DESEJA PESQUISAR E APERTE ENTER